Projeto
FLESH AND SPIRIT
  • Compartilhe:
SINOPSE
Imagem do filme

Conheça a trajetória do renomado fotógrafo brasileiro Claudio Edinger, ele afirma que sua alma está em São Paulo e seu coração no Rio.

Edinger é considerado um dos mestres contemporâneos do ensaio fotográfico. Inspirado em Tolstoy, que diz “Sem saber quem sou, a vida é impossível”, Edinger desde o começo de sua carreira, usa a câmera como recurso de pesquisa. Publicou treze livros.

O documentário narrará sua trajetória desde sua primeira série, sobre o Edifício Martinelli em São Paulo (1975), passando pela sua vivência entre os judeus hassídicos do Brooklyn, da qual resultou uma série de fotografias em preto e branco, tiradas ao longo de dois anos, que retratam as tradições e os costumes daquela comunidade, passando pela sua mudança  para o histórico Chelsea Hotel, durante o final da década de 70 e começo dos anos 80, onde Edinger retratou muitas personalidades excêntricas do hotel, que tinha entre seus moradores muitos pintores e músicos, como Bob Dylan, Virgil Thompson, Jimmy Hendrix e Janis Joplin, Arthur C. Clark, que escreveu “2001 – Uma Odisséia no Espaço” no hotel, Clifford Irving, que escreveu a autobiografia falsa de Howard Hughes também por lá, Andy Warhol, que o usava para fazer filmes e Sid Vicious, que assassinou sua namorada Nancy no quarto 101.  Do Chelsea, em 1984, Edinger mudou-se para Venice Beach, California. Durante o final da década de 60 e 70 Venice Beach era um dos centros da contracultura.  Em 1986, mudou-se para a Índia, onde começou a usar cores para fotografar Varanasi, que desempenhou papel fundamental em sua busca espiritual, que começou no Brooklyn. Utilizando uma câmera Hasselblad, ele fotografou em médio formato o turbilhão de pessoas e lugares da Índia.

De volta ao Brasil, fez as fotos para o livro “Madness (Loucura)” e ganhou o prêmio Ernst Hass do Maine Photographic Workshop. Em 2000 começou a fotografar em branco e preto, com o foco seletivo.  Vieram outros livros. A utilização de sua câmera de grande formato e uso experimental da cor, em seu mais recente trabalho sobre São Paulo, foram um grande avanço no trabalho de Edinger.